domingo, 25 de janeiro de 2009

Último filme visionado: Persona

PERSONA (1966) de Ingmar Bergman
8/10

10 comentários:

Renata Correia Botelho disse...

É "A Máscara", não é?

Quero imenso ver esse filme, embora, pela minha experiência, o Bergman me deixe sempre KO para o resto do dia...

Filipe Machado disse...

Sim, é "A Máscara". Ainda não tenho opinião formada sobre o filme. Com toda a certeza vou revê-lo novamente. No entanto, penso que é uma película extraordinária, tendo em conta o ano em que foi realizado.

Siul disse...

OK deve ser muito interessante não o vi, mas como os outros dois colegas que comentaram o filme deve ser altamente.


Abraço

Red Dust disse...

Também nunca vi, mas sendo de Bergman deve ser mais que recomendável.

Abraço.

Anónimo disse...

Ko fiquei eu agora com o "Requiem for a dream" do Aronosky. Um portentoso documento, mas que me deixa a precisar de ar bem fresco!

Obrigada pela dica.

CAMP

PS: Para já, nem pensar no Bergman...

Maria das Mercês disse...

Partilho da opinião da Renata, Bergman é assombroso, mas fica-se KO!

Filipe Machado disse...

O filme é bastante duro e denso: os muitos silêncios, os olhares carregados, a linguagem forte e as interpretações magníficas. Continuo a pensar neste filme...

Raquel Roque disse...

Concordo com o Filipe. E, para quem já visionou o filme ou pretende fazê-lo, não se esqueça do seu ano: 1966. Fazer um filme destes naquela altura não era fácil!

Álvaro Martins disse...

Bergman não é Hollywood. Bergman é mais do que cinema, Bergman é arte pura, é introspecção, é reflexão, é discussão, é um ensaio sobre a vida, sobre as pequenas/grandes questões existencialistas e emocionais da condição humana. Talvez por isso a Renata e a Maria das Mercês fiquem KO com filmes do Bergman.
Já agora, Persona é, para mim, a par do Sétimo Selo e do Morangos Silvestres, a obra-prima do Bergman.

Ursdens disse...

É um filme único na obra do Bergman, diferente do registo habitual... Não é o meu preferido. Gosto, acima de todos, de "cenas da vida conjugal", "saraband" e "mónica e o desejo". Mas é a minha opinião muito subjectiva, naturalmente.

Cumprimentos cinéfilos!