domingo, 31 de maio de 2009

Sondagem #5: o melhor de Pierce Brosnan

A primeira vez que Pierce Brosnan conheceu Albert Broccoli, o reputado produtor da série de filmes de James Bond, foi nas filmagens de For Your Eyes Only (1981), devido ao facto da sua primeira esposa entrar no filme. Nessa altura, Broccoli chegou a afirmar que se Brosnan soubesse representar, então ele seria a escolha certa para suceder Roger Moore no papel do mais famoso espião do mundo.
Só catorze anos mais tarde, a “profecia” acabaria por se concretizar: Brosnan começou por interpretar 007 num dos filmes mais aclamados e aplaudidos de toda a saga, GoldenEye (1995). O actor declarou à imprensa, nesse período, que o primeiro filme que tinha visto foi Goldfinger (1964), tendo sido Sean Connery o homem que o inspirou a seguir a carreira cinematográfica.

As caraterísitcas físicas e interpretativas deste novo actor vieram trazer um rejuvenescimento acrescido ao papel do espião, ao quebrar sucessivos recordes de bilheteira ao longo dos quatro filmes que entrou, transformando Pierce Brosnan numa das maiores estrelas de cinema do mundo. Apesar do sucesso observado, Brosnan continuou a diverficar a sua carreira profissional, ao alternar as películas de James Bond com outros filmes de menor orçamento e exposição, nomeadamente os excelentes The Thomas Crown Affair (1999) e The Taylor Of Panama (2001).

Na minha opinião, não havia muitas dúvidas relativamente ao filme vencedor do último inquérito realizado (ver barra lateral). GoldenEye (1995) acabou mesmo por ser o mais votado e arrecadou o dobro dos votos de Die Another Day (2002), o último filme a contar com Brosnan como protagonista.

SINOPSE: Um ruídoso thriller com a sequência de abertura mais incrível de sempre da saga James Bond. Quando um Agente do MI6 (Sean Bean) muda de lado e planeia conseguir o domínio do mundo através de uma aterrorizante arma-satélite, Bond vê-se obrigado a perseguir o seu antigo aliado por Cuba, Monte Carlo, Suíça e até Rússia. Tudo isto enquanto tenta escapar a uma sensual e mortífera mulher fatal (Famke Janssen) que não desistirá enquanto não esmagar o invulnerável espião.

Artigos relacionados:
http://additionalcamera.blogspot.com/2009/03/sondagem-4.html

sábado, 30 de maio de 2009

Additional Camera em Amesterdão

O antigo chulo de Deuce é apanhado numa rede de assassinos em Amesterdão. Cedo se descobre que há um assassino em série que ataca sistematicamente os maiores gigolos do velho continente. Para ajudar um velho amigo a sair de uma situação perigosa, Deuce tem de voltar ao mundo obscuro da indústria do sexo, neste caso à capital da Holanda. As suas qualidades enquanto gigolo ainda deixam muito a desejar. O aspirante a Casanova vai para uma academia de gigolos na tentativa de alargar o seu reportório, com o objectivo final de conquistar o troféu anual dos "Gigolo Awards"...

Não posso dizer que esta tenha sido a descrição correcta da aventura das minhas férias em Amesterdão, porém, posso garantir para quem desconhece, que esta é uma das pequenas cidades mais extraordinárias do mundo. Desde os seus canais até aos mundialmente conhecidos museus e atracções históricas, Amesterdão é uma das cidades mais românticas, encantadoras, tolerantes e diversificadas da Europa. Tem todas as vantagens de uma grande metrópole: cultura, vida nocturna, restaurantes de renome internacional e bons meios de transporte.
Os museus são as principais atracções turísticas em Amesterdão. Toda a gente conhece o Rjksmuseum, o Van Gogh Museum, o Stedelijk Museum ou o famoso Museu de Cera Madame Tussauds (ver fotos abaixo), existindo ainda mais de cinquenta museus que atraem milhões de visitantes por ano.
As Coffeeshops na Holanda estão autorizadas para vender pequenas quantidades de cannabis e são severamente reguladas e sujeitas ao pagamento do devido imposto. Drogas pesadas estão estritamente proibidas.

O bairro conhecido de Amesterdão, Red Light District, um velho subúrbio relativamente próximo da Praça Dam, é invadido diariamente por grupos de turistas. Eles vêm para observar as raparigas que trabalham, exibindo muito charme nas suas janelas. Existem também outras variadíssimas áreas de muitas discotecas, pequenos restaurantes e cafés.
Enfim, poderia escrever uma dissertação sobre as minhas experiências, contudo não existem palavras que possam descrever toda a magia e fascinação que absorvi ao longo de sete magníficos dias.
Por uma questão de logística, só faltou a visita a Bruges. Ficará certamente para uma próxima oportunidade!

domingo, 17 de maio de 2009

Holiday In Bruges

Tal como referi há dias atrás, amanhã entrarei nas minhas mais do que merecidas férias. Vou aproveitar para aliviar ao máximo as tensões que o dia a dia provoca, especialmente aquelas associadas ao trabalho… Estarei cerca de uma semana em Amesterdão e, como amante de cinema que sou, não vou deixar passar a oportunidade de dar um pequeno salto ao país vizinho e conhecer Bruges, a cidade admiravelmente revista num dos melhores filmes do ano passado, In Bruges.
Deste modo, estarei ausente cerca de duas semanas da blogosfera, esperando regressar revitalizado e com energia redobrada para continuar a trabalhar neste recanto cinéfilo.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Último filme visionado: Gran Torino

GRAN TORINO (2008) de Clint Eastwood

Gran Torino pode resumir tudo o que de melhor Clint Eastwood sabe fazer: realizar pequenas histórias intimistas acerca de pessoas comuns e acessíveis. O reputado realizador prova, novamente, toda a sua perícia ao construir um grande filme a partir de um argumento vulgar. Um filme magnífico sobre a problemática das relações sócio-culturais e familiares, neste caso, as marcas da guerra, os conflitos pessoais, o racismo, a perda dos valores, o papel da religião e a redenção. As personagens assumem-se como protótipos da sociedade actual, ou seja, todas elas espelham uma classe social e geracional bem definida. Neste filme, Eastwood volta a encarnar uma figura carregada com remorsos, um solitário e um durão muito ao seu já reconhecido jeito. Nota negativa, contudo, para as péssimas interpretações dos actores secundários, mas o talento de Eastwood é capaz de fazer esquecer os desempenhos menos conseguidos, apresentando uma das melhores representações da sua longa carreira.
(9/10)

Último filme visionado: RocknRolla

ROCKNROLLA (2008) de Guy Ritchie

Déjà vu. Não consigo inumerar a quantidade de vezes que vi esta história passar na tela. A grande novidade aqui reside na inteligente forma como ela é contada, apesar de reconhecermos automaticamente o estilo de Guy Ritchie dos seus anteriores filmes. O realizador vai esgaravatar novamente a fórmula que utilizou em Snatch e no Lock, Stock and Two Smoking Barrels (a sua grande obra-prima), adicionando uma faceta mais obscura, atabalhoada, desorganizada e, nalguns momentos, pouco clara. O humor e a nostálgica banda sonora acabam por se assumir como as grandes mais-valias da película, ao quebrar os periódicos momentos de monotomia da acção. Rocknrolla é uma cópia de uma cópia de uma valiosa obra original.
(6,5/10)

terça-feira, 12 de maio de 2009

Banda Sonora da Semana #9

video

A que filme pertence?

domingo, 10 de maio de 2009

Último filme visionado: Girl With A Pearl Earring

GIRL WITH A PEARL EARRING (2003) de Peter Webber

Este filme mistura cores, sabores, cheiros, transporta-nos para dentro de uma época, de um lar, de uma história. Esta história é de uma suavidade maravilhosamente repousante e sedutora, em que a leveza da acção faz com que tudo ganhe mais intensidade. A fotografia está bem conseguida, onde a luz incide sempre diagonalmente sobre quase todas as cenas. Apesar disso, a narrativa transmite a impressão contínua de que poderia ser muito mais explorada e as personagens melhor trabalhadas. De facto, fiquei com um sentimento de desilusão, pois o argumento é interessante e as imagens estão embebidas de uma beleza enorme, mas sem nunca extravasar.
(6,5/10)

Último filme visionado: Ratatouille

RATATOUILLE (2007) de Brad Bird

Outra colaboração entre a Pixar e Brad Bird, depois do excelente resultado de The Incredibles. Como não podia deixar de ser, toda a animação é fantástica, as sequências de culinária estão bem contruídas, o ambiente do restaurante auxília a construção do aparato digital, mas surpreendentemente o filme fica a dever muito aos seus originais e super hilariantes protagonistas. Infelizmente, à medida que a história se desenrola, somos confrontados com uma narrativa bastante previsível em que todas as restantes personagens não são mais do que peças decorativas. Ratatouille, em termos técnicos, está acima da média, mas no que respeita à história e ao humor é apenas e somente competente.
(7/10)

sábado, 9 de maio de 2009

Work, sleep, work, sleep...

Por motivos de ordem diversa, que assentam essencialmente numa sobrecarga de trabalho e em sucessivos problemas informáticos, não tenho tido a possibilidade de publicar com a periodicidade de que gostava ou esperava. Na minha perspectiva, o restante mês de Maio não será muito diferente, acrescentando-se o facto de entrar para férias, durante quinze dias, a partir da próxima 6ª feira (dia 15). Venho assim, deste modo, apresentar as minhas desculpas a todos os meus leitores e deixar o compromisso de ir publicando o máximo possível, apesar das limitações acima descritas. Obrigado pela compreensão.

domingo, 3 de maio de 2009

Último filme visionado: Planet Of The Apes

PLANET OF THE APES (1968) de Franklin J. Schaffner

Posso estar enganado, mas tenho a noção de que este filme nunca ganhou muito respeito, quer pelo público, quer pela crítica. Talvez tenha sido pela imagem desgastada de Charlton Heston, em finais da década de 1960; talvez devido às inúmeras sequelas que originou; possivelmente poderá ter a ver com o seu sobejamente conhecido twist final; ou até por causa da estreia de 2001: A Space Odyssey no mesmo ano. Todavia, se olharmos para esta película de uma forma pura, centralizada e sem preconceitos, chegamos à conclusão de que se trata de uma excelente obra sobre importantíssimas questões sociais e políticas: religião, racismo, armas nucleares, guerra, futuro da humanidade, entre muitas outras. Não possuindo seguramente uma abordagem subtil sobre os temas atrás referidos, é realmente eficaz na transmissão das suas mensagens, catapultando o filme para além daquilo que poderia ter sido uma simples fita de acção.
(8/10)

Último filme visionado: Gomorra

GOMORRA (2008) de Matteo Garrone

Esta película tenta espelhar a crua realidade da máfia napolitana, mas acaba por sofrer um pouco pela falta de carga dramática e emocial. O objectivo é exibir e desmonstrar, de uma forma cansativa e repetitiva, o quanto as leis da máfia são complexas, obscuras e até assustadoras. A realização é bem conseguida, as interpretações são razoáveis, contudo o argumento e a coesão narrativa falham redondamente: Matteo Garrone resume-se a captar o que sucede, dificultando ao espectador o acompanhamento do relato do panorama integral da história. Certamente alguns serão atraídos por esta abordagem supostamente fresca e pouco usual do realizador, mas na minha opinião, trata-se somente de um pseudo-documentário ficcional muito distante da obra-prima que muitos quiseram transmitir.
(5,5/10)

sábado, 2 de maio de 2009

Debate adicional

"Quem Quer Ser Bilionário? foi rodado em Mumbai por Danny Boyle, ganhou oito Oscar, tornando-se no filme fundador de uma relação de conveniência entre Hollywood e Bollywood, que vão unir forças para dominar a indústria de cinema mundial e, consequentemente, influenciar os filmes que vamos ver".

Citação retirada do nº. 7 da revista portuguesa Premiere

O facto de Slumdog Millionaire ter vencido os Oscares não poderá mesmo ter sido uma estratégia económica de Hollywood para explorar, no futuro, o mercado de Bollywood?