sábado, 20 de dezembro de 2008

White Hunter Black Heart


Apesar de ser um grande apreciador de Clint Eastwood enquanto realizador / actor, devo dizer que não conhecia o seu filme White Hunter Black Heart de 1990. Aconselhado por um amigo, tive a oportunidade de vê-lo muito recentemente. E não é que este génio da realização voltou a surpreender-me! Neste filme, temos de admirar verdadeiramente Eastwood por se colocar na pele de um dos mais famosos realizadores de Hollywood nos anos de 1950, John Huston (The Treasure Of The Sierra Madre (1948); The Maltese Falcon (1941); The African Queen (1951)). Na realidade, a película é distanciadamente baseada nas circunstâncias que envolveram a filmagem do último filme acima referido, apesar de não ter nada a ver com a sua feitura. Trata-se de um conto sobre a obsessão, o orgulho e o egoísmo, tudo isto oferecido de uma forma refinada e polida, quase majestosa, em que a fotografia tem um papel fundamental. O ritmo é intenso e excitante, atravessado sistematicamente por passagens descontraídas e vagarosas, mas sem nunca tombar na insipidez.



Não tenho dúvidas que este é um dos melhores exercícios de Eastwood na realização, no entanto chamo especial atenção para a sua interpretação, excelentemente efectiva e robusta, que retrata um cineasta egocêntrico, altamente decisivo e independente, papel este muito incomum na sua carreira como actor. O personagem principal mantém sempre, ao longo da fita, uma postura carismática, fascinante e cripticamente free spirit. Em relação à história, não existe nada de complexo, todavia, existem muitos pontos de interesse, especialmente a ironia oculta da parte final.
Não querendo desvendar muito mais, agradeço-te Álvaro, por me dares a conhecer esta sedutora e cativante aventura cinematográfica.
7,5/10

5 comentários:

Renata Correia Botelho disse...

Aconselho todos os amantes de Eastwood que leiam a pequena entrevista dada pelo seu biógrafo oficial ao Ípsilon da sexta-feira da semana passada. É um texto muito bom e dá-nos a conhecer, de facto, um homem superior.

Já agora, o suplemento desta semana também interessa a amantes do cinema, pois traz-nos o Nanni Moretti.

Filipe Machado disse...

Não te esqueças de guardar essa revista para mim. Obrigado!

Anónimo disse...

Conheço o filme. Muito substimado aquando da sua estreia. Gostei particularmente da interpretação do Clint Eastwood e da fotografia. Muito bom!

Raquel disse...

Clint Eastwood com uma interpretação espectacular.

Anónimo disse...

;-)
AB