segunda-feira, 23 de março de 2009

Último filme visionado: Changeling

CHANGELING (2008) de Clint Eastwood

Inspirado em factos reais que ocorreram em 1928, Clint Eastwood contrói uma obra altamente dramática sobre o desaparecimento de uma criança e a procura incessante e destemida de sua mãe. Por detrás da contenda cinematográfica, é-nos revelado, de uma forma sublime, o papel da mulher numa sociedade fortemente conservadora e machista. Esta premissa é apimentada pela dissecação da cultura autoritária patente nas forças policiais da época. Apesar de não ser um dos melhores filmes de Eastwood, não deixa de ser um grande filme à boa maneira clássica. Também Jolie deixa um pouco a desejar na pele de mãe angustiada.
(7,5/10)

6 comentários:

Fifeco disse...

Pois, está difícil para estarmos de acordo. Quanto a mim, Changeling é um filme perfeito. Muito clássico, à boa maneira antiga, onde se fizeram os melhores filmes da história, e com uma realização extraordinária a todos os níveis. E claro, não posso concordar com a apreciação de Jolie visto que, quanto a mim, é a sua melhor interpretação da carreira fazendo com que o papel de mãe desesperada lhe assente que nem uma luva.

Mas como sempre, percebo e respeito a tua opinião.

Abraço

Raquel Roque disse...

De facto é a melhor interpretação da carreira de Jolie, mas partilho da opinião que ela não me convenceu no papel de uma verdadeira mãe angustiada.... É uma boa, mas longe de uma excelente interpretação. Criei de facto elevadas expectativas quanto a esta interpretação...fiquei um pouco desiludida.

Álvaro Martins disse...

Fifeco e Raquel,

Não concordo, de todo, com a vossa afirmação de que é a melhor intrpretação da Jolie. Para mim ainda tem que "jurdir" muito para ultrapassar a Lisa de Girl Interrupted.

Filipe,

Também lhe dava por volta dessa nota. Mas achei melhor este Changeling do que o Gran Torino.

Abraços

PS: Fifeco, perfeito é que não é. Podes ter gostado muito, mas daqui à perfeição ainda vai um longo caminho, até porque existem poucos filmes de que se possa dizer que são perfeitos.

Filipe Machado disse...

Estes comentários são a prova inequívoca dos diferentes olhares e percepções que podem existir sobre um determindado filme. Fico feliz por discordarmos em tanto aspecto. É esta também magia do cinema: o nosso olhar diferencia-se e/ou altera-se conforme o contexto do visionamento, a nossa idade, o nosso background cinematográfico, e muitos outros factores, etc.

Caro Fifeco,
Devo confessar que numa primeira fase achei o filme extraordinário a todos os níveis. Com o passar dos dias fui perdendo esse sentimento... Um abraço!

Gustavo H.R. disse...

A nota faz jus à qualidade mediana do filme. Tem boas sacadas (a fotografia, a reconstituição de época) e alguns erros (longo demais, carece de densidade dramática).
Um Eastwood bom, mas menor.

Cumps.

Rafael Carvalho disse...

Filipe, não gosto nada desse filme. A história cai no maniqueísmo facilmente e ainda há no filme uma tentativa de inspirar no espectador um sentimento de justiça sendo feita, de punição, quase uma coisa masoquista. A Jolie está ótima, assim como a reconstrução da época é impecável, mas o final com liçãozinha de moral não ajuda em nada.